Início / Negócios / 2018 promete ano recorde para o mercado global de luxo

2018 promete ano recorde para o mercado global de luxo

O apetite dos jovens consumidores chineses e a aceleração das vendas online devem continuar impulsionando o mercado global de artigos de luxo em 2018, de acordo com o último estudo da Bain & Co/Altagamma. Após um aumento de 6% em 2017, as vendas de bolsas, relógios e roupas de luxo devem aumentar 8% à taxas de câmbio constantes em 2018, e alcançar um novo recorde de 276 a 281 bilhões de euros.

“Hoje, o crescimento do mercado é contínuo e saudável, pois é mais impulsionado pelos volumes do que pelos aumentos de preços”

…. declarou Federica Levato, associada da consultoria e co-autora do estudo à Reuters. Além disso, as flutuações das taxas de câmbio devem continuar redistribuindo as compras entre as diferentes regiões do mundo, sem realmente afetar o crescimento geral do mercado.

A indústria do luxo é impulsionada pelos “millennials”, com idade entre 18 e 35 anos, que são atualmente responsáveis por 85% do crescimento da indústria. Esta nova situação obrigou as marcas a adaptarem a sua estratégia de marketing digital, mas também a renovarem a sua oferta com produtos capazes de satisfazer uma clientela ultra-conectada e pouco fiel.

Louis Vuitton, a maior marca de luxo do mundo e principal geradora de lucro da LVMH, Gucci (que pertence à Kering) cujas vendas estão explodindo, e Chanel têm investido fortemente em streetwear, e especialmente em sneakers.

“Os consumidores chineses continuam sendo a força motriz da indústria. Eles são muito sensíveis à moda e muito conectados”, diz Claudia d’Arpizio, associada da Bain e responsável pelo estudo.

Consumidores ávidos por moda e acessórios

Os consumidores chineses respondem por um terço do mercado global de luxo, e as gerações mais jovens estão ávidas por moda e acessórios, onde gastam todas as suas economias. Filhos únicos, eles também recebem apoio financeiro de seus pais ou avós.

Nesse contexto, o “boom” das compras feitas na própria China, já observado há dois anos, deve se confirmar. Com a redução da diferença entre os preços da China e da Europa, devido às marcas e medidas de Pequim para promover o consumo interno, os consumidores chineses estão comprando cada vez mais em seu país.

Na China continental, o mercado de luxo deverá crescer de 20% a 22% este ano à taxas de câmbio constantes, segundo as previsões da Bain.

O setor também deve se beneficiar de uma recuperação em Hong Kong, após anos de lentidão, e de um melhor desempenho nos Estados Unidos, graças à recuperação da confiança do consumidor e à melhora do turismo.

O luxo também é impulsionado pela ascensão do comércio eletrônico, apesar das marcas terem aderido ao modelo tardiamente, elas se converteram em massa ao “omnichannel” (convergência entre lojas físicas e vendas online). As vendas online aumentaram 24% em 2017, passando a representar de 9 à 10% do mercado, e devem chegar a 25% até 2025.

Como em 2017, o luxo deve continuar sendo impulsionado pelos calçados, que se tornaram acessórios de moda mais acessíveis do que outras categorias de produtos, mas também pela joalheria e os artigos de couro.

A Bain espera um crescimento médio anual do mercado de luxo entre 4% e 5% nos próximos anos. O setor pode então atingir de 366 a 390 bilhões de euros até 2025.

© Reuters

Sobre A Redação

Portal criado em 2000 e lançado em 2006, temos o maior conteúdo sobre o Mercado de Luxo e somos o maior da América Latina, com atualização de notícias diariamente. Publicamos milhares de artigos e pontos de vista em mais de 40 categorias de luxo.

Veja Também

Revista Robb Report Brasil será lançada no dia 13 de junho

Doria Editora lança revista Robb Report Brasil com coquetel no próximo dia 13.  A Robb Report …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *