Início / Lifestyle / Arte & Cultura / Top 10 Exposições de Artes no Cenário Internacional

Top 10 Exposições de Artes no Cenário Internacional

As exposições mais intrigantes deste ano ofereceram experiências imersivas e participativas, envolvendo os visitantes com temas urgentes que se estenderam da escala micro à macro, imensas instalações de arte digital como na Teamlab 2018 e com uma série de shows atraentes e frequentemente provocativos em museus e galerias ao redor do mundo.

A lista anual TOP 10 das exposições mais comentadas do ano, há dez exposições que foram apresentadas em várias cidades nos últimos 12 meses.

Adrian Searle do site The Guardian analisou as exposições de 2018 no cenário internacional para apontar as suas preferidas.
Entre elas, estão as mostras de Tacita Dean em dose tripla, a blockbuster de Picasso e as obras muito estranhas de Tai Shani.

Confira abaixo as 10 exposições de artes no cenário internacional em 2018.

1. Tacita Dean: Portrait, Still Life, Landscape
National Gallery, National Portrait Gallery, Royal Academy, Londres
Poderia ter sido considerado um ato de arrogância artística, para Tacita Dean ter três exposições inter-relacionadas este ano. Na NPG, ela fez um novo filme no qual os atores David Warner, Ben Whishaw e Stephen Dillane parecem reagir um ao outro, enquanto na verdade nunca estão na mesma sala ou no mesmo país. Os filmes de Dean retratam os temas da mesma maneira que as pinturas. Nada acontece, exceto o tempo e a presença.

Na Galeria Nacional, Dean explorou a ideia de natureza morta, através de seus próprios filmes e obras da coleção do museu e em outros lugares.
Na RA, ela estreou Antígona, um filme de 35mm de grande complexidade. Este é o trabalho mais ambicioso de Dean até agora.



2. Anni Albers

Tate Modern, Londres
Anni Albers fez têxteis não como um substituto para a pintura, mas em seus próprios termos. Levando-nos da Bauhaus para o Black Mountain College e Connecticut, esta exposição reveladora e maravilhosamente instalada mostra o quão inovadora Albers era como designer têxtil e tecelã. Mesmo em sua forma mais geométrica, seu trabalho parece humano e vivo – menos o produto da mecânica do tear, a construção de uma matriz de fios e fibras, urdidura e trama, do que da mão e da mente.

3. Danh Vo: Take My Breath Away
SMK Copenhagen
Missionários martirizados, história pessoal e familiar, fragmentos corporais e lembranças – as esculturas e instalações do artista dinamarquês / vietnamita Danh Vo se infiltraram no Museu Nacional da Dinamarca. Incluindo cartas de Henry Kissinger sobre seu amor por musicais e balé, tigelas de cerâmica decoradas com a violência hedionda dos conquistadores na Nova Espanha, seções de uma réplica em tamanho real da Estátua da Liberdade e um lustre antes pendurado na sala onde o acordo de paz de Paris encerrou a guerra do Vietnã foram reunidos nesta exposição fantástica.

4. Manifesta 12
Palermo, Sicília
A bienal itinerante europeia aconteceu em Palermo, mergulhando na história da cidade e sua infraestrutura, como uma encruzilhada de migração na periferia da Europa. Os destaques incluíram a vívida documentação digital do artista espanhol Cristina Lucas sobre os bombardeios de alvos civis, de 1911 até os dias atuais, em um trabalho de entorpecimento e injustiça acumulada. Enquanto isso, o grupo siciliano Masbedo instalou uma projeção de um fantoche entre os séculos de documentos, denúncias, julgamentos e segredos empilhados nos arquivos do estado. Este foi o melhor trabalho que vi em todo o ano, uma combinação perfeita de cenário e intervenção.

5. Picasso 1932: Love, Fame, Tragedy
Tate Modern, Londres
Viajando de Paris para a Tate Modern, Picasso 1932 contou a história de um ano através de pinturas e esculturas, cartas, fotografias e uma série de material de arquivo. Mas foram as pinturas de Picasso e, em particular, aquelas que descrevem sua amante adormecida, Marie-Thérèse Walter, que conheceu pela primeira vez na rua em Paris em 1927, quando ela tinha apenas 17 anos, que se destacam. A arte de Picasso tornou-se tão preocupante quanto sua vida em 1932, e sua obra foi por vezes tenra, monstruosa, magnífica e arrepiante, um ego em convulsão.

6. Strange Days: Memories of the Future
The Store X/Vinyl Factory, Londres
Um espetáculo incrível de vídeo, filme e arte digital que exigiu visitas repetidas, Strange Days teve 21 artistas espalhados por três andares, com curadoria de Massimiliano Gioni, diretor artístico do New Museum de Nova York. A homenagem amorosa de 20 minutos de Kahlil Joseph ao cenário musical do Harlem, Fly Paper, foi o trabalho principal, terminando com uma citação do filme de Chris Marker, Sans Soleil: “Se eles não vêem felicidade na foto, pelo menos eles verão o preto”.

7. Tomma Abts
Serpentine Sackler Gallery, Londres
Vinte e cinco pequenas pinturas pendiam à distância de um passo ao redor da galeria Serpentine Sackler. Como em uma jornada, iniciada sem uma ideia clara de uma resolução. As abstrações de Tomma Abts (raramente a palavra é tão apropriada) me fizeram sentir abstraída, confusa e encantada. Jogos para os olhos e alçapões para a mente, suas superfícies embaralhadas e transparentes com anomalias de perspectiva, padrões interrompidos, linhas de falha e recessos sombreados. Hipnotizante.

8. Cerith Wyn Evans
Prêmio de escultura de Hepworth, Wakefield
Cerith Wyn Evans ganhou o segundo prêmio de escultura de Hepworth com uma complexa peça de vidro pendurada sozinha em uma pequena galeria. Com suas armações translúcidas e tubulações, a escultura aparece como um desenho de filigrana. Também é um instrumento musical. Os dois elementos principais jogam um com o outro, em uma chamada algorítmica e resposta sempre em movimento, emitindo uma música baixa e assombrosa. O trabalho faz com que você se conscientize intensamente do espaço e do tempo, do volume, da acústica e das maneiras pelas quais deslocamos o ar à medida que nos movemos.

9. Elmgreen & Dragset: This Is How We Bite Our Tongue
Whitechapel Gallery, Londres
A dupla escandinava transformou o piso térreo da galeria Whitechapel em uma piscina pública, repleta de patrulheiros e cheiro de cloro. Isso deixou os visitantes à beira do abismo, sem saber se eles vieram ao lugar certo ou onde alugar uma toalha. O ponto mais alto da exposição, a piscina vazia, poderia ter sido o declínio das amenidades públicas, mas também era uma espécie de trompe l’oeil, um duplo sentido maravilhoso.

10. Tai Shani
Festival internacional de Glasgow
A Instalação de Tai Shani, Tramway Dark Continent: Semiramis, foi a melhor e mais frustrante coisa que o último Festival de Glasgow teve a oferecer. Parte instalação, parte palco, o trabalho era tanto tableau vivant quanto teatro. Havia calcinhas, conversas sujas e declamações divididos em 12 atos. Coisas estranhas e formas geométricas e um objeto como um gigante cólon rosado, ou uma cobra no jardim, encheram o palco. Era muito peculiar, absolutamente memorável e muito estranho.

Sobre A Redação

Portal criado em 2000 e lançado em 2006, temos o maior conteúdo sobre o Mercado de Luxo e somos o maior da América Latina, com atualização de notícias diariamente. Publicamos milhares de artigos e pontos de vista em mais de 40 categorias de luxo.

Veja Também

Nova câmera Leica S3 tem sensor de 64 megapixels e captura vídeo em 4K

Sem dúvida, o ano de 2018 tem tudo a ver com câmeras sem espelho com …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *